terça-feira, 21 de abril de 2009

Sísifo

Recomeça....


Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.








E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

Miguel Torga
Fotos: Olhares

16 comentários:

Eu Mesma! disse...

As imagens são lindas!

OnlyMe disse...

Eu Mesma!, e o poema não?! lool

Jinhos :)

Nuno Pereira disse...

A luz brilhante da vida, está de volta ao teu ser!
Associas um poema grandioso, com uma musica que trás de volta outros poemas que nos embalaram.
O começo do dia está lindo. Desfruta dele e verás que no final conseguirás resumi-lo num poema por mais simples que seja.
já estou a ouvir a musica pela terceira vez. Vai-me embalar pelo dia fora.
Um bom dia para ti.

preto [e] branco disse...

Não desistas e não dêz metade de Ti...

bj...nho

*A beleza palavriada de Miguel Torga.

sonhos/pesadelos disse...

mais uma brilhante escolha...

Lita disse...

Adoro este poema. Obrigada!

Tinta Azul disse...

Gosto muito muito deste poema.

Recomeça...
Um beijo para ti.

ลndreia disse...

Excelente poema! *

Milésimo disse...

Lindissimo poema e mais uma bela partilha.
Gostaria de acrescentar que no teu post anterior, fixei-me mais na foto do que na mensagem final, claro que se nota uma ligação forte entre as duas pessoas e como a imagem está filtrada não consegui diferenciar se seria uma pessoa do sexo feminino ou não, neste caso pensei mesmo tratar-se da tua querida Mãe, asseguro-te, mas não quis cometer um equivoco.

Finalmente, as palavras que deixaste no milésimo foi como um puxão de orelhas em frente a um espelho, se bem me entendes.
Muito obrigado por isso.

Um bj de Amizade e vivam as nossas Mães

Apenas eu disse...

Eu acho que percebeste... acho que sei. Já uma vez, faz tempo postei este poema, talvez porque estava dividida mas não convencida o suficiente, assim ouvia-me em eco.

O fruto come-se inteiro, ou come-se metade dividindo com quem divide a vida com nós, não em part-time...

Desculpa, mas são pensamentos meus, que não escondo, já tive uma relação em part time e esmurrei-me toda.

Dá os teus passos seguros e firmes e quando quiseres um fruto, que seja de alguém que te mereça na realidade.

Um beijo e um bom fim de semana.

escarlate.due disse...

quando as palavras são de Torga, não há mais nada a dizer porque tudo foi dito.
é lindo este poema!!!

Nuno Pereira disse...

Hoje comemora-se o dia da liberdade.
Abraça-a e TIRA UMA SESTA COM ELA. No resto do dia olha para o que te rodeia e verás que a liberdade és tu.
E tu és um ser imune a qualquer tentativa de deixares fugir um bem tao precioso e tao útil.
Estou cá para te oferecer a minha liberdade.
UM ABRAÇAO!

Paulo - Intemporal disse...

__________________________________

vinte e cinco de abril de dois mil e nove
__________________________________

e porque são sei dizer melhor e se soubesse não saberia dizer assim, digo que,

"Há uma Justiça para ricos e outra para pobres, uma Justiça para famosos e outra para anónimos, como há Saúde e Educação diferentes para ricos e pobres. Cumprir Abril é uma questão de justiça. Já não podemos esperar mais 35 anos".

Paulo Baldaia

______________ para reflexão [...]

e

.

.

.

está sublime o teu blogue. bem a cara tua, minha nossa :) _______ .

as velas ardem ate ao fim disse...

Feliz dia da Liberdade!

orkide@ disse...

Lindíssimo!!!
O pema e as imagens... Gostei muito!

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Andas desaparecida, sim, mas explicaste muito bem o motivo com umaboa citaçao. Neste post Miguel Torga esta presenteado por ti com um belissimo poema. Está naaltura de ires à barra lateral direita vdo meu canto e retirares o premio sair das Palavras para ti.

beijinhos que estarmos sos connosco tambem faz bem, como por outras palavras referes.